Pura erudição

Postado em Atualizado em

Processed with VSCOcam with g3 preset
imagem: tumblr

 

Aquelas notas cheiravam a rastro d´água,
Das nuvens aprendi o cirandar das sílabas e a geometria dos dinossauros
Uma Ode à criação artesã dos meus contornos
Meu nau de verdades e mentiras,
que por hora colorem, se desbotam,
se aquarelam,
A fazer-se brisa, voo; árvore,
Impressões da beleza que aos olhos
Se inspiram e imprimem ao hábil ofício do seu gênero.
E bem lá, no lombo da serra
O esguio pé de tamarino imóvel,
Esgalhado sobre as raízes do jatobá,
As aroeiras arredam do chão a palavra
Seu acontecer tem água nua
Rasgões, línguas e desvisões.
Viram margem no dialeto mineiro
Se repartem aos maracujás no arco-íris
E tem a transbordância de calçar-me de terra
Meu habitar tem a geografia de João-de-barro..
Feito espiral o poeta macera o timbre pousado na letra
Uma encantatória orquestra que carrega no refrão, seu firmamento
Desenrola o novelo, desenha entrelinhas ao sabor dos frutos
Segue a ordem natural das palavras,
A lembrarem do Amor,
Da alma que apreende da pétala, o teu letral,
a fragrância da estrofe.
Decerto entre as vielas há um sopro agravado,
Insuflado, uma composição a se afinar
Enquanto a breve clave expande
Ao minúsculo espaço da flauta
A soletrarem quimeras, de pura erudição
O diafragma incendeia o verso na ponta do lápis.


  • Fernanda Fraga.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s