Na’morada

Postado em

Na morada de alguém,
Alguém vive também
E como é gostoso
Morar em um só corpo

Não se cobra mora
De quem aqui mora,
Pois não é alugável
O espaço ocupado

Na morada de alguém
Existe um porém,
Vive-se intensamente
E de forma presente

Não é perdoável
Qualquer ato isolado
Pois, na mora, se junto,
Então juntos, de fato!

Na morada, se tem
Duas almas reféns,
Reféns, um do outro
Sem o mínimo esforço

Na morada, meu bem
O mínimo que a gente tem
É o máximo de conforto
É o cais, é o porto
É a gente tão bem…

Hulle Horranna

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s